terça-feira, 19 de setembro de 2017

Quinta da Bacalhoa II

A segunda parte da visita à Quinta da Bacalhoa realizou-se no edifício-sede  onde as colecções particulares do Comendador José Berardo podem ser apreciadas em três exposições permanentes.


- Out of Africa
Esta exposição é dedicada  à Rainha Ginga e a África, onde o Comendador passou parte da sua vida.
Dela constam diversas peças etnográficas africanas bem como  outras contemporâneas. 


- What a Wonderful World! 
Esta colecção  dedicada à Art Nouveau e Art Deco é constituída por vários móveis, candeeiros e objectos decorativos.
Existe também um espaço dedicado a Rafael Bordalo Pinheiro, com destaque para algumas das suas famosas peças de cerâmica.


- O Azulejo Português do Século XVI ao Século XX
Um  acervo de azulejaria transversal a mais de cinco séculos, encontra-se patente    na Adega, num ambiente de luz e temperatura controladas.


A visita terminou com a degustação de alguns dos vinhos produzidos na quinta, com especial destaque para o Moscatel.



Obrigada pela sua presença. Volte sempre!

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Visita à Quinta da Bacalhoa I

Nada melhor para aproveitar um fim de semana de final de Verão, que um agradável passeio, na   companhia de amigos com os quais nos identificamos.



Desta vez, o passeio foi aqui bem perto de minha casa, à Quinta da Bacalhoa em Vila Fresca de Azeitão.
Da Quinta fazem parte a vinha, a adega, o museu  e o famoso Palácio da Bacalhoa, que  actualmente pertencem ao Comendador Joe Berardo. Teve origem no século XV, quando o Infante D. João, um dos filhos de D. João I e de D. Filipa de Lencastre, ali passava os seus momentos de lazer.



De geração em geração, de venda em venda, sofreu várias alterações ao traçado primitivo. No século XX, abandonado e em mau estado de conservação, foi adquirido pela norte-americana, Orlena Scoville, que procedeu a obras de reconstrução do palácio. Mais tarde, o neto iniciou uma nova fase da Quinta, que a tornou  num dos maiores produtores  de vinho do país.



Do  Palácio fazem também parte,  um magnífico jardim, um pomar, a vinha e a Casa de Fresco com o seu famoso tanque.
Passou pela posse de várias personalidades. De todos eles, destaco Brás de Albuquerque, filho do Vice-Rei da Índia,  Afonso de Albuquerque, que o ampliou e ao qual  se deve a maior parte  deste conjunto arquitectónico.



O actual proprietário fez um grande investimento no Palácio, embelezando-o e transformando parte dele num Museu, onde estão  patentes, entre outros, um importante espólio da azulejaria primitiva em Portugal, bem como várias das obras de arte, que Joe Berardo foi adquirindo ao longo da sua vida.


Saindo para o exterior do  edifício, encontramos um   belo jardim formado por buxos dispostos  num bonito labirinto, tendo uma fonte ao centro e, em volta, um harmónico conjunto de estátuas.  



Seguindo por uma bonita alameda rodeada de muros e bancos revestidos de azulejos, tendo incrustados nas paredes belos medalhões, com os bustos de imperadores romanos, vamos chegar à Casa De Fresco.



Este edifício é formado por três torres que terminam num tanque de proporções generosas e que forma um esplêndido espelho de água.




Como não podia deixar de acontecer numa Quinta vocacionada para a viticultura,  uma grande vinha espraia-se aos olhos dos visitantes, motivando-os para uma prova de vinhos e uma visita à Adega. 




Obrigada pela sua presença. Volte sempre!

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Porque É Fim de Semana: Vila Nova de Tazem

Porque é fim de semana, vamos prosseguir na descoberta das localidades do concelho de Gouveia e seguimos para a freguesia de Vila Nova de Tazem. 



Até ao século XIX, usou o topónimo  Vila Nova de Casal, mas teve outras denominações: Vila Nova, Vila Nova de Riba Mondego e Vila Nova de Folgosinho. 
Recebeu foral de D. Manuel, enquanto incluída no concelho de Casal.
Durante o início do séc. XIX, durante as Invasões Francesas, o exército Anglo-Luso esteve ali acampado, tendo sido travado um grande combate com as tropas napoleónicas.


A padroeira  de Vila Nova de Tazem é Nossa Senhora da Assunção.
A Paróquia de Nossa Senhora da Assunção de Vila Nova de Tazem, inicialmente integrava o Bispado de Coimbra. Em 1882, passou para o Bispado da Guarda.  
A actual Igreja foi construída entre 1894 e 1903, mas já foi alvo de obras  de restauro no final do século XX.
De arquitectura revivalista neorromânica e neogótica, tem planta retangular com uma só nave e capela-mor. Adossadas tem a sacristia e torre sineira. 

Para além da sua Igreja, existem ainda algumas capelas e outro património digno de referência.
- Capela de Santo António



- Capela de São Miguel




Capela de planta longitudinal com uma só nave, um alpendre e uma sacristia adossada. Desconhece-se a data da   construção da capela primitiva, pois em 1936, foi transferida para o local actual.

- Capela de São Bartolomeu-Museu Paroquial de Arte Sacra



- Igreja de São Sebastião (Tazem)



Igreja  construída no século XX, formada  por uma nave e capela-mor mais estreita. Adossadas tem a sacristia e uma torre sineira. 

- Capela de Santa Bárbara

- Casa dos Mouros



- Penedo oscilante



- Cadeirões romanos



- Antas do Safaíl e do Freixial 
- Fragas da Maria do Bento. 



Fotos da Net


Obrigada pela sua presença. Volte sempre.



quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Vila Nova de Oliveirinha Tábua

Vila Nova de Oliveirinha é uma  antiga freguesia portuguesa do concelho da Tábua, que juntamente com  Covas forma a união das Freguesias de Covas e Vila Nova de Oliveirinha.



Teve foral dado por D. Manuel I, em  1514. Foi vila e  sede de concelho até à sua extinção em 1836. 
Após a  extinção do concelho, perdeu o título de vila e passou a ser uma freguesia do concelho de Midões. Em 1853 também o concelho de Midões foi extinto, passando então a freguesia  de Vila Nova de Oliveirinha para o concelho de   Tábua. 
Voltou a obter a categoria de vila em 1906 e designou-se apenas  Oliveirinha até 1936.


O padroeiro desta Vila é São Miguel.

A antiga freguesia de São Miguel de Vila de Oliveirinha foi priorado da apresentação da Sé de Coimbra. 

Na povoação, existem ainda outros locais de culto.
- Capela da Senhora do Loreto 


- Capela de  São João


Do património da vila fazem ainda parte:

- Escultura em homenagem aos mortos da Grande Guerra 
Esta escultura em granito, foi construída em homenagem aos combatentes da primeira Grande Guerra.
- Escultura de Homenagem aos Beneméritos de Vila nova de Oliveirinha


Esta escultura  construída em pedra contém em cada face os nomes dos beneméritos da freguesia.

- Escultura de Homenagem a Albano Gonçalves


Esta escultura em granito pretende homenagear os 47 anos em que Albano Gonçalves foi presidente da Junta desta freguesia.

Casa de D. Felismina


- Cruzeiro



Construído em granito, tem dois degraus, uma base quadrangular e um fuste cilíndrico encimado por uma cruz.





Obrigada pela sua presença. Volte sempre!

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Covas - Tábua

Hoje vamos conhecer Covas, uma  antiga freguesia do concelho de Tábua, que juntamente com Vila Nova de Oliveirinha, forma a União das Freguesia de Covas e Vila Nova de Oliveirinha.



Pouco se  conhece da história mais remota desta localidade. No entanto, sabe-se que pertencia ao concelho de Seia, quando esta recebeu a sua carta de foral em 1136.
Nas Inquirições de D. Afonso III, aparecem no  concelho  de Seia, seis paróquias que actualmente fazem parte do concelho de Tábua: S. Mamede de Ázere, Santa Maria de Midões, S. Miguel de Oliveira, Santa Maria de Sinde, Santa Maria de Tábua e Santa Maria de Covas.


Em  1200, "a paróquia de Covas era então das mais importantes do actual concelho de Tábua, pelas suas "villas". Uma destas, a própria de Covas, fora povoada a foro de jugada; mas os seus habitantes prosperaram de modo a poderem arcar com os encargos da cavalaria, elevando-se de jugadeiros a cavaleiros-vilões, o que outra coisa não quer dizer este passo das Inquirições: "villa de Covas solebat esse defensa de jugata per caballarium". 
Mesmo assim, em meados do século XIII, estava despovoada pelas razões expostas aos inquiridores de D. Afonso III: "por causa dos mordomos de Seia que os fazem ir muitas vezes a Seia por achacamentos que lhes impõem, e por causa dos homens dos coutos, de ordens (mosteiros ou igrejas) e de fidalgos, que os têm subjugados, não tendo eles quem os defenda". 



Covas beneficiou do foral de Lagos da Beira, concedido pelo rei D. Manuel I, em 1514."Os homens bons do lugar foram convocados para a redacção dos termos, o emissário d’El-Rei apresentou as condições e o tabelião fez o primeiro assentamento".
Antes de integrar  o concelho de Tábua, Covas pertenceu  ao concelho de Midões, extinto em 1853. 


A padroeira da povoação é Nossa Senhora da Conceição.
A antiga freguesia de N. Srª da Conceição de Covas foi priorado da apresentação da Casa do Infantado, paróquia da vila de Percelada, hoje extinta, de que era donatária a Universidade de Coimbra. 
A Igreja matriz foi remodelada no século XVII.




 

Obrigada pela sua presença. Volte sempre.